Gestão da mudança, Quem mexeu no meu queijo?

A Gestão da Mudança é um dos temas mais desafiantes nos dias de hoje. Nunca foi tão difícil antecipar a mudança como actualmente, em que o contexto varia de forma vertiginosa.

Como lidamos com a mudança, nos planos pessoal e profissional? E a nossa equipa? Como a preparamos para desafios diferentes?

Creio que todos temos presente “Quem mexeu no meu Queijo?”, a fantástica fábula de Dr. Spencer Johnson sobre como lidar com a Mudança. Trata-se da história de dois ratinhos e dois pequenos duendes que vivem num labirinto e que dependem de queijo para se alimentar e ser felizes. Como habitavam uma casa cheia de queijo, viviam muito contentes até ao belo dia em que o queijo desaparece…

Qual é o seu queijo?

Os nossos sonhos, a nossa ambição, os nossos objectivos são, no fundo, aquilo que nos move. O que queremos alcançar varia de pessoa para pessoa e, no contexto organizacional, de empresa para empresa.
À semelhança das personagens desta história, numa equipa todos os elementos são diferentes. A diversidade é obviamente desejável, mas o facto de lidarmos com características diferentes, com personalidades mais simples ou mais complexas, exige que tenhamos presente que o queijo de cada um é distinto e que:
– uns pressentem a mudança à distância,
– outros são orientados pela acção,
– alguns recusam e resistem à mudança,
– e outros precisam de tempo para se adaptar e reconhecer que a mudança os conduz a algo melhor.

As pessoas são feitas de convicções, de crenças e plenas de emoção. Algumas funcionam na base do erro/tentativa, umas são proactivas, outras tipicamente seguidoras, e isso repercute-se nos seus comportamentos e nas suas acções.

O labirinto está a mudar?

Nesta história, o labirinto representa o mundo real, o mercado em que estamos inseridos e os caminhos que temos que procurar e percorrer para chegar às nossas metas, aos nossos objectivos. O desafio que se coloca às empresas e às equipas em geral é descobrirem o seu caminho no labirinto, no exigente enquadramento actual.
Frequentemente ouve-se o desabafo:
“Fazemos tudo como sempre fizemos e agora as coisas não melhoram.”
Pois… o que no passado nos levou de A a B, não nos leva jamais de B a C!

Se não mudarmos, se não repensarmos e ajustarmos os modelos de negócio, se não lançarmos novas e distintas iniciativas, corremos o risco de sermos esmagados pela concorrência. O mercado está a mudar, os clientes têm necessidades distintas a cada dia. O desafio é agora ter a capacidade de antecipar e criar essas novas necessidades. Se não sairmos da nossa zona de conforto, jamais conseguiremos fazer coisas diferentes.

Se mexem no nosso queijo, é absolutamente urgente encontrar queijo novo…

Descobrir o Novo Queijo?
A motivação, a confiança e o compromisso são determinantes para agilizar qualquer processo de mudança. Promover o envolvimento e a participação de todos os elementos da equipa, apoiar os mais resistentes à mudança ou os que necessitam de mais tempo do nível de segurança que eles apreciam, contar activamente com os seguidores para fazer acontecer o plano operacional e estimular os orientados pela acção e mais empreendedores para serem agentes da mudança constituem factores críticos de sucesso no novo desempenho que é esperado das Organizações.

Esteja preparado para mudar muitas vezes, para mudar mais depressa, redefinir e ajustar frequentemente metas e objectivos, explorar novas áreas no labirinto, procurar o tal queijo novo…

A Gestão da Mudança deve ser uma área de atenção constante, presente em cada novo projecto, no alargamento a novas áreas de negócio, na penetração em novos mercados, no lançamento de novos produtos, na disponibilização de novos canais de venda, enfim, em cada ponto de viragem na empresa.

Por vezes será necessário abdicar dos sucessos passados e mudar aquilo em que se acredita, partir para o desconhecido sem conhecer todo o caminho, vencer os nossos medos. A pressão externa e da equipa serão essenciais para, depois do primeiro passo, encontrar os passos seguintes.

É fundamental fazer uma boa gestão da mundança, porque, cada vez mais, vão continuar a mexer no queijo!

2 Comments

  1. Tiago Simao Quarta-feira, 6 Maio 2009
  2. Valter Simões Quinta-feira, 7 Maio 2009

Add Comment